25 de abril de 2013

Coral Vivo

UC’s em áreas marinhas ainda não protegem o suficiente

Schiavetti no encontro do Proj. Ciências do Mar, na Resex Marinha de Canavieiras, uma das áreas estudadas


Um estudo recém publicado na revista Ocean & Coastal Management (volume 76) por pesquisadores brasileiros apresenta dados importantes para a proteção do nosso mar. Eles avaliaram o sistema de Unidades de Conservação (UC’s) costeiras e marinhas federais, estaduais e municipais e concluíram que, na zona marinha (definida pelos autores com sendo da costa até as 200 milhas da Zona Econômica Exclusiva) que inclui as áreas com recifes de coral (especialmente o Nordeste do Brasil), protegeu-se apenas 1,26% dos 10% prometidos em acordos internacionais.

Mais alarmante, neste caso, é que pouco mais de 10% destas áreas marinhas existentes (ou seja, 0,12%) estão incluídas em áreas de proteção integral, mais efetivas para conservação.

Por outro lado, a notícia é animadora quando tratam das unidades terrestres até 50km da costa (chamadas “coastal” no artigo): mais de 10% dessas regiões foram incluídas em áreas protegidas, atingindo as metas assumidas pelo governo brasileiro.

Além da necessidade de criar mais UC’s marinhas, é preciso gerir todas, as costeiras e as marinhas, para atingir de forma eficaz os objetivos de conservação e uso sustentável dos mares brasileiros.

Para obter cópia desse trabalho, entre em contato com o autor Alexandre Schiavetti através do e-mail aleschi@hotmail.com.

Referência do artigo:
Schiavetti A, Manz J, dos Santos CZ, Magro TC & Pagani MI. 2013. Marine Protected Areas in Brazil: An ecological approach regarding the large marine ecosystems. Ocean & Coastal Management 76: 96–104.

Seguidores