20 de março de 2013

CONTAMINAÇÃO REMANESCENTES DE CHUMBO E CÁDMIO NO MUNICÍPIO DE SANTO AMARO - BA


O município de Santo Amaro da Purificação-Bahia, Brasil, foi palco de intensa atividade de extração metalúrgica de chumbo entre os anos de 1956 e 1993, quando a Plumbum-Mineração e Metalurgia Ltda. produziu entre 11.000 e 32.000 toneladas de chumbo por ano e gerou um passivo ambiental que vem sendo estudado desde a década de 70. Resíduos típicos desta atividade constituem-se principalmente de óxidos de Si, Ca, Fe, Zn, Pb e S, contendo traços de Cd, As, Sb, Co e Cr. Esses resíduos foram dispersos sem controle na atmosfera numa extensa área no entorno da chaminé da fábrica, contaminando os solos da região numa magnitude que traz danos tanto do ponto de vista de saúde humana quanto do meio ambiente. Contudo, apesar de decorridos cerca de 17 anos do fechamento da fábrica e da enorme gama de trabalhos publicados sobre o assunto, persistiam dúvidas sobre a contaminação residual ainda ativa na cidade, bem como acerca de suas principais causas e consequências.  

fonte: http://www.meau.ufba.br/site/publicacoes/estudo-da-contaminacao-remanescentes-de-chumbo-e-cadmio-no-municipio-de-santo-amaro-ba


                          O RASTRO DA DESTRUIÇÃO.
 1º PARTE
A população da cidade de Santo Amaro da Purificação (BA), distante cerca de 100 km de Salvador, vem sofrendo ao longo dos  últimos 40 anos, com as conseqüências da poluição e a contaminação pelo chumbo (Pb) e  cádmio (Cd), em nível endêmico.
 
Neste período foram produzidas e comercializadas cerca de 900 mil toneladas de liga de chumbo, gerando um passivo ambiental de milhões de toneladas de rejeito e cerca de 500 mil toneladas de escória com 3% de concentração de chumbo. Pelos valores atuais do chumbo no mercado mundial, o empreendimento instalado naquela cidade baiana, durante sua vida útil, faturou cerca de US$450 milhões.
 
A multinacional produziu e comercializou 900 mil toneladas de liga de chumbo e gerou um passivo ambiental de 3 milhões de toneladas de rejeitos e cerca de 300 mil toneladas de escória com alta concentração de chumbo.
 
Quando a empresa encerrou as atividades, em 1993, deixou para trás um rastro de destruição e doenças. A escória exposta a céu aberto espalhou chumbo pelas ruas, pelos rebocos das residências, no solo e na água do rio Subaé, que arrastou o metal pesado para a Baía de Todos os Santos.
 
Os danos causados ao meio ambiente tiveram como conseqüência a contaminação da população santamarense, principalmente os ex-trabalhadores e moradores do entorno da fábrica.
 
Surgiu então o saturnismo, uma doença que afina os braços, paralisa as mãos, provoca dores agudas, causa impotência sexual nos homens e aborto e má formação fetal nas mulheres. 
 
Por causa do excesso de metais na água e no solo, outras doenças como anemia, câncer de pulmão, lesões renais, hipertensão arterial, doenças cérebro-vasculares e alterações psicomotoras também foram identificadas.
 
E todo o absurdo relatados com o  aval, autorizaçoes,  licenças ambientais e da inércia dos governantes em todas as esferas do governo,da representaividade da justiça  e de todos os conselhos e suas  instâncias, tanto ambientais como os conselhos de  saúde,sabedoras do assunto,que repercutiu a nivel internacional,que a até hoje  sem resultados concretos e decente ao caso,ausentando e se esquivando da responsabilizaçao da UNIAO ,desse rastro de destruiçao,onde ate entao, nunca se viu politicas emergenciasi de saude( diagnostico, tratamento) dentro do municipio,sem hospital municipal, e  nem se quer existe
100 % SUS,alem de duas(2) filantropias de pequeno porte,e um hospital  tercerizado,onde presta serviço pelo SUS  por cotas limitadas, atendimentos emergencias, e primarios, O ``Estado´´se manteve estaticamente omissa, des de entao,perguntamos á onde estao os direitos humanos ? os diretios  a saude? garantidos  por leis do SUS? lei 8080 e 8.142
  Seguira a continuaçao do Episodio 
``Contaminaçao por  chumbo em Santo Amaro efeitos comprovados sem soluçao e sem resultado!

fonte: http://www.redehumanizasus.net/8796-contaminacao-de-chumbo-em-santo-amaroefeito-comprovadosem-solucao-e-sem-resultado
 

Santo Amaro: Justiça determina que União construa centro de tratamento para contaminação


 
Santo Amaro: Justiça determina que União construa centro de tratamento para contaminação
Foto: Roberto Abreu/MinC
As vítimas de contaminação por metais pesados, como chumbo e cádmio, em Santo Amaro, Bahia, terão um Centro de Referência para tratamento. A construção é de responsabilidade da União e da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), de acordo com determinação da Justiça Federal. Para o Ministério Público Federal (MPF), o Estado se omitiu em relação aos problemas de saúde que atingiram cerca de 80% dos habitantes, principalmente os ex-trabalhadores da mineradora. O descarte inadequado de resíduos realizado pela Plumbum Comércio e Representações de Produtos Minerais e Industriais, antiga Companhia Brasileira de Chumbo - Cobrac, que atuou na cidade por mais de 30 anos, tornou Santo Amaro o município mais poluído por chumbo no mundo. A ordem deve ser cumprida nos próximos seis meses, e a Funasa e a União têm até a próxima quarta-feira (28) para adotar medidas iniciais de construção do centro, como a alocação de recursos e instalação de estrutura de atendimento emergencial.  A Justiça também determinou que representantes da mineradora Plumbum, em 15 dias cerquem a área onde estava alocada a empresa, informando sobre o risco de contaminação e a presença de vigilantes para evitar a entrada de pessoas e animais na área. 

Seguidores