20 de abril de 2012

Zoo reabre Programa de Educação Ambiental com agenda cheia

Mariana Mendes

Raul Spinassé | Ag. A TARDE
Na aula de Educação Ambiental, o veterinário Victor Curvelo fala sobre os répteis às criançasMal abriu a agenda, o Jardim Zoológico de Salvador já está com os meses de abril, maio e junho quase lotados com pedidos de escolas interessadas em participar dos Programas de Educação Ambiental "Aprendendo no Zoo" e o "Zoo vai à Escola", que retomaram às atividades no último dia 10. Os dois programas, que ficaram três meses parados por conta de reformas na Sala de Educação e readaptação do material didático utilizado, chegam a registrar uma média de 500 atendimentos por ano.

"Todo o espaço foi rearrumado, estamos com novos animais empalhados. Tudo isso para atender os nossos visitantes", disse Victor Curvelo, veterinário e integrante da equipe de Educação Ambiental.

No "Aprendendo no Zoo", turmas de 20 a 25 alunos são recebidas por um biólogo ou funcionário do setor de educação ambiental e encaminhadas a uma sala, onde assistirão a uma palestra. A fauna e flora brasileira, preservação ambiental, tráfico de animais, entre outros, são assuntos abordados pela equipe do Zoo durante o bate-papo. Em seguida, os estudantes seguem para uma visita orientada, em que conhecerão não só os animais, como também o setor de nutrição animal e o parque botânico que o local reserva. Já no "Zoo vai à Escola", é a equipe do zoológico que vai dar uma aula sobre o meio ambiente na instituição de ensino participante.

"Algumas escolas, principalmente as de pequeno porte e públicas, têm dificuldade para trazer os alunos até o zoológico. Com esse programa passamos a levar um pouco disto aqui para eles. Levamos animais vivos e empalhados, falamos de suas origens, alimentação, de como vivem na natureza, da preservação da espécie, além de mostrar a importância de cuidar do meio ambiente", explicou o veterinário.

Para o coordenador do Zoológico, Gerson Norberto, a Educação Ambiental é uma forma de despertar o vínculo da criança com a natureza. "Nos preocupamos em fazer com que as informações que elas recebem aqui levem para a vida inteira. Fazemos com que elas gostem do que veem. Mostramos o quanto a fauna e a flora brasileira são ricas e estão passando por dificuldades. Você não consegue cuidar do que não ama. Queremos despertar esse sentimento nas crianças", disse.

Ainda segundo Norberto, o trabalho da educação ambiental é também despertar a população para a degradação do meio ambiente, que vem se acelerando cada vez mais. "Com os programas, tentamos despertar o senso crítico das pessoas e reproduzir ao máximo essas informações para que elas se disseminem para a sociedade como um todo".

Além dos dois programas citados, o Jardim Zoológico ainda oferece outros quatro: o "Zoo Especial", criado para atender escolas ou instituições que trabalhem com pessoas com necessidades especiais de aprendizado (deficientes motores, visuais, auditivos, mentais e analfabetos), o "Zoo Terapia", dedicado a alegrar crianças em tratamento médico-hospitalar, o "Cine Zoo Ambiental", que exibe filmes com temática ambiental, e o "Trilha na Mata do Zoo", caminhada pela Mata Atlântica do Zoológico. Este último não está disponível no momento, mas deve voltar à atividade no próximo semestre.

Professores - A partir do segundo semestre deste ano, o zoológico também estará oferecendo o Curso de Capacitação para Professores. O programa, que deve ter turmas de até 40 docentes, tem como foco capacitá-los a saber como utilizar Zoológico como ferramenta de ensino na sala de aula. "O curso é mais uma ação do zoo como instituição preservacionista" disse o coordenador.

Para participar dos programas e agendar um horário, basta enviar um e-mail para zoo.educar@inema.ba.gov.br ou ligar para o número (71) 3116-7952, das 8h às 12h ou das 14h às 17h.

Visitantes - Ursos, lobos, zebras e onças são os animais mais procurados não só pelas crianças, como também pelo adultos que visitam o espaço. O zoológico, também conhecido como Parque Zoobotânico de Salvador, recebe cerca de 40 mil visitantes por mês. Por conta do Dia das Crianças, em outubro o número triplica, com 120 mil visitantes/mês. Além de trabalhar nos programas, a equipe da Educação Ambiental se mantém disponível para tirar dúvidas ou, simplesmente, matar a curiosidade dos frequentadores.

"A ideia é mostrar o zoológico como ferramenta de conservação e reprodução da espécie", lembrou o veterinário Victor Curvelo. Um filhote de Gato Maracajá, nascido no início de abril, foi uma das espécies ameaças de extinção que o zoológico conseguiu reproduzir. No mês de março nasceram um filhote de zebra e um filhote de cervo do pantanal, além de ser descoberta a gestação de uma cobra sucuri (por meio de exame de ultrassonografia), e 40 ovos de jacaré de papo amarelo.

Os cuidados, no entanto, não devem ser só da equipe do Zoológico. A população também tem que se conscientizar e respeitar as recomendações dos instrutores do parque. Uma das principais dificuldades, apesar das placas de alerta espalhadas pelo complexo, é fazer com que os visitantes parem de alimentar os animais ou jogar objetos para despertar a atenção dos bichos.

"As espécies possuem uma alimentação balanceada, preparada especialmente por nossa equipe. Quando os visitantes alimentam os animais eles deixam de comer o essencial para a sua nutrição, quando não passam mal", disse Curvelo. O veterinário lembrou que na tentativa de descobrir a causa da morte de uma Ema, ave corredora de grande porte, que morreu há algum tempo, a equipe encontrou no estômago do animal, uma moeda, plástico, e muitos outros objetos.

O veterinário também citou o fato da Siriema fêmea estar sozinha no parque e não mais como um casal. "O macho da Siriema morreu com uma fratura na pata, porque um visitante jogou algum objeto para chamar a atenção do animal e acabou machucando-o", lamentou.

Lazer gratuito - Com uma área verde de cerca de 250.000 metros quadrados, incluindo remanescente de Mata Atlântica, o Parque Zoobotânico de Salvador é um dos principais locais de lazer gratuito da capital baiana. O zoológico fica localizado no bairro de Ondina e é aberto ao público de terça a domingo, inclusive feriados, das 8h30 às 17h.

|Conheça os Programa de Educação Ambiental do Zoológico de Salvador|

Aprendendo no Zoo:
Palestra e ronda orientada por biólogo ou estagiário do setor de educação ambiental, destinadas às escolas da rede
pública e privada e instituições que visitam o Zoológico. Também dá a oportunidade de conhecer o setor de nutrição animal
e participar de algumas atividades lúdicas.

Trilha na Mata do Zoo:
Caminhada pelo remanescente da Mata Atlântica do Zoo, acompanhada por biólogo ou estagiários do setor de educação
ambiental que fazem uma trilha interpretativa para os visitantes.

Zoo vai à Escola:
Visita da turma da educação ambiental do Zoo às escolas, instituições ou empresas, para realização de feiras de ciências
e palestras com exposições do kit Zoo Educar.

Zoo Especial:
Projeto criado para atender escolas ou instituições que trabalhem com pessoas com necessidades especiais de aprendizado
(deficientes motores, visuais, auditivos, mentais e analfabetos).

Zoo Terapia:
Proporciona alegria às crianças em tratamento médico-hospitalar a partir da visita da equipe de educação ambiental às
unidades de tratamento, bem como através da visita desses pacientes ao Zoo.

Cine Zoo Ambiental:
Exibição de filmes com temática ambiental, voltados à comunidade do entorno do Zoo e demais visitantes.

Mais informações no site do Zoo (www.zoo.ba.gov.br).

Seguidores