29 de janeiro de 2014

O CAFÉ CIENTÍFICO VOLTA EM 2014 COM UMA DISCUSSÃO SOBRE EXIBIÇÕES ANTROPOLÓGICAS DOS SÉCULOS XIX E XX, NO CONTEXTO DE UM TRATAMENTO SOBRE O RACISMO CIENTÍFICO.
 
O Café Científico Salvador, promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências (UFBA/UEFS), pela LDM - Livraria Multicampi, pela Tribuna da Bahia e pela Biblioteca Pública do Estado da Bahia, continua em 2014 com o evento a seguir:
 
07 de Fevereiro de 2014 – 18:00
Zoológicos humanos? Exibições antropológicas dos séculos XIX e XX
Juanma Sánchez Arteaga (IHAC-UFBA)
 
Para mais informações, ver resumo abaixo.
 
Local: Auditório da Biblioteca dos Barris, Rua General Labatut, 27, Barris, Salvador-BA.

O Café Científico é um local em que qualquer pessoa pode discutir desenvolvimentos recentes das várias ciências e seus impactos sociais. Ele oferece uma oportunidade para que cientistas e o público em geral se encontrem face a face para discutir questões científicas, numa atmosfera agradável.
 
O evento é inteiramente gratuito e não necessita de inscrição.
 
Para mais informações, ligue 71 3283-6568.
 
Maiores informações sobre o café científico de Salvador podem ser encontradas em http://cafecientificossa.blogspot.com
 
Informações gerais sobre a iniciativa dos Cafés Científicos podem ser conseguidas no seguinte sítio: http://www.cafescientifique.org.
 

ZOOLÓGICOS HUMANOS? EXIBIÇÕES ANTROPOLÓGICAS DOS SÉCULOS XIX E XX
Juanma Sánchez Arteaga (IHAC-UFBA)
 
 
            Durante todo o século XIX e até quase completar a primeira metade do XX, numerosos países Europeus e Americanos - inclusive o Brasil - organizaram diversas exposições antropológicas de caráter pretensamente «científico», nas quais membros nativos de diferentes comunidades indígenas, especialmente transportados desde suas terras para participar em tais eventos, foram exibidos publicamente com uma intenção educativa. Analisaremos diversas tentativas de popularizar o conhecimento científico em antropologia e biologia humana por meio da exibição de nativos. Normalmente, tais exibições eram organizadas com ambições científicas, tanto para popularização do saber antropológico da época entre o público leigo quanto para fornecer uma oportunidade para o estudo “in vivo” dos nativos por parte de médicos, antropólogos ou especialistas em biologia humana. A animalização dos nativos implícita em muitos desses shows –em ocasiões, realizados em parques zoológicos, e inclusive, em certos casos, com nativos exibidos em gaiolas junto com animais- tem levado a alguns autores a falar de “Zoológicos Humanos”, se bem que a pertinência desse termo seja discutida em meios acadêmicos. Será apresentada uma breve descrição de algumas dessas exibições, especialmente aquelas que na época foram consideradas pelos organizadores e pelo público como sendo de alto interesse científico para a popularização da ciência da época. Trataremos de pôr tais exposições antropológicas em relação com outro tipo de espetáculos contemporâneos que incluíam exibições humanas como principal atração -como os chamados “freaks shows” ou as “exposições missionais” -, assim como  com o discurso científico da biologia humana e da etnocêntrica antropologia física do período considerado. Menção especial será concedida à “Primeira Exposição Antropológica Brasileira” (Rio de Janeiro, 1882), em que foi apresentado ao público carioca um grupo de índios Botocudos, sendo descritos pelos organizadores como representantes brutalizados e semi-bestiais da humanidade nos seus primórdios evolutivos, mais próximos aos primatas do que às supostas “raças superiores” sob muitos aspectos. Trataremos de suscitar algumas reflexões concernentes tanto à popularização da ciência quanto à educação em ciência, em especial quanto aos valores ideológicos subjacentes ao conhecimento científico e aos processos de alterização que tem conduzido à marginalização, estigmatização e inferiorização de numerosos grupos humanos ao longo da história das ciências.
 
Leituras sugeridas:
-ANDERMANN, Jens. Espetáculos da diferença: a Exposição Antropológica Brasileira de 1882. Topoi - Revista de História, Rio de Janeiro, v.5, p.128-170. Available at: http://www.revistatopoi.org/numeros_anteriores/topoi09/topoi9a6.pdf.
-FERNANDES, Daniela: Exposição relembra shows étnicos com humanos 'exóticos' na Europa. (BBC Brasil) http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/12/111201_galeria_shows_etnicos_df.shtml
- GELEDÉS. INSTITUTO DA MULHER NEGRA Racismo: Exposição em Paris mostra como seres humanos foram exibidos em feiras, circos e zoológicos no fim do século 19. http://www.geledes.org.br/esquecer-jamais/179-esquecer-jamais/12141-racismo-exposicao-em-paris-mostra-como-seres-humanos-foram-exibidos-em-feiras-circos-e-zoologicos-no-fim-do-seculo-19
-LANGER, Johny; RANKEL, Luiz Fernando. A Exposição Antropológica de 1882. Revista Museu, Rio de Janeiro. Available at: http://www.revistamuseu.com.br/artigos/art_.asp?id=4245.
-Revista da Exposicao Anthropologica Brazileira, 1882. MORAES FILHO, Mello (Ed.). Rio de Janeiro: Typographia Pinheiro. 1882. http://www.brasiliana.usp.br/bbd/handle/1918/04016600
- SÁNCHEZ ARTEAGA, Juanma. La antropología física y los «zoológicos humanos»: exhibiciones de indígenas como práctica de popularización científica en el umbral del siglo XX.  Asclepio, Vol 62, No 1 (2010),  http://asclepio.revistas.csic.es/index.php/asclepio/article/viewArticle/305
-SANCHEZ ARTEAGA, Juanma and N. EL-HANI, Charbel. Physical anthropology and the description of the 'savage' in the Brazilian Anthropological Exhibition of 1882. Hist. cienc. saude-Manguinhos [online]. 2010, vol.17, n.2
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-59702010000200008&script=sci_arttext
SCHWARCZ, Lilia M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras. 1993.
 
Att
Comissão Organizadora do Café Científico:
Charbel Niño El-Hani (Instituto de Biologia, UFBA. Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências, UFBA/UEFS. Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Biomonitoramento, UFBA).
Primo Maldonado (LDM).
Luana Maldonado (LDM)
Paola Perez (LDM)
Valter Alves Pereira (Colégio da Polícia Militar)
Anna Cassia Sarmento (Colégio da Polícia Militar. Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências, UFBA/UEFS)
Cássia Regina Reis Muniz (Colégio da Polícia Militar. Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências, UFBA/UEFS)
Luciana Fiuza (Instituto de Biologia, UFBA).
Jailson Alves dos Santos (Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências, UFBA/UEFS, professor assistente do Dexa, UEFS)

Seguidores