28 de fevereiro de 2013


Instituto Baleia Jubarte critica Japão por manter caça de baleias

por Bárbara Affonso
A presidente do Instituto Baleia Jubarte (IBJ), Márcia Engel, comentou nesta quarta-feira (27) a afirmação do ministro da Agricultura e da Pesca do Japão, Yoshimasa Hayashi, de que não pretende interromper a captura de baleias no país. "O Japão se posiciona contra a opinião pública mundial, ao invadir águas australianas para capturar baleias, o que viola inclusive leis internacionais. Episódio ocorrido na semana passada, em que o navio baleeiro japonês Nissin Maru investiu contra as embarcações da [ONG de proteção dos mares] Sea Shepherd, que causou danos materiais e colocou em sério risco as vidas humanas ali presentes, demonstra o descaso do governo nipônico", declarou ao Bahia Notícias.
O ministro japonês afirmou nesta terça (26) que "pescar boas proteínas é muito importante para a segurança alimentar". "Em alguns países come-se cachorro, na Coreia por exemplo, na Austrália come-se canguru. Nós não comemos estes animais, mas não pedimos para que estes países deixem de fazê-lo porque entendemos que isso faz parte de suas culturas. Então eu peço: por favor, entendam a nossa", argumentou. No entanto, a presidente do IBJ acredita que a discussão ultrapassa a questão cultural. "Países como o Brasil e a própria Austrália há muitos anos reconheceram a iminência de extinção das grandes baleias dos oceanos do planeta e passaram a defender sua conservação para a manutenção da saúde dos mares e para a geração de riqueza para as comunidades costeiras através do turismo de observação", explicou. As embarcações da Sea Shepherd seguem a frota japonesa desde o início da campanha de caça desta temporada na tentativa de impedi-la de capturar cetáceos.

Seguidores