9 de janeiro de 2012

Projeto Baleia Jubarte e Inst. Chico Mendes realizaram censo aéreo

Por: Sulbahianews/Ascom

A bordo de um avião bimotor, pesquisadores do Projeto Baleia Jubarte percorreram o litoral do Brasil, de Sergipe ao Rio de Janeiro, para a produção de um censo aéreo de baleias da espécie jubarte, frequentadoras assíduas do litoral brasileiro entre os meses de julho a novembro. A iniciativa representa um dos maiores levantamentos aéreos de cetáceos realizados no mundo e o segundo (o primeiro foi em 2005) abrangendo uma área tão extensa, realizado pelo Projeto Baleia Jubarte. “Com o aumento da área mapeada, percorrendo praticamente toda a área de ocorrência sistemática da espécie no Brasil, teremos um grande mapa da espécie, ferramenta única para o estabelecimento de ações de conservação”, afirma a presidente do Instituto Baleia Jubarte, Márcia Engel.

Um dos objetivos do levantamento é avaliar se a população de baleias jubarte brasileiras – são sete populações só no Hemisfério Sul – se recuperou após o período de caça comercial, que reduziu a população de mais de 300 mil jubartes a menos de 5% deste total. Segundo Márcia, com o censo aéreo também será possível avaliar de que forma e em que ritmo estas baleias estão repovoando as águas brasileiras, qual o número de animais, quais são os locais de concentração de fêmeas com filhotes, e onde os esforços de conservação precisam ser intensificados. “Será possível também avaliar a interação da população destas baleias com possíveis ameaças de origem antrópica, como as frotas pesqueiras, rotas de embarcações comerciais e plataformas de petróleo”, completa. A previsão é que os resultados sejam conhecidos no início de 2012.
Levantamentos anteriores realizados pelo Projeto Baleia Jubarte, em uma área menor, que compreende os estados da Bahia e do Espírito Santo, como condicionantes ambientais exigidas pelo IBAMA para subsidiar rotas de navegação de empresas de celulose no banco dos Abrolhos, já identificaram a concentração de fêmeas com filhotes nesta região, que recebe mais de 80% dos indivíduos da espécie jubarte que chegam ao Brasil anualmente para reprodução.
O trabalho é desenvolvido pelo Projeto Baleia Jubarte, iniciativa do Instituto Baleia Jubarte, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Ambiental, em cooperação técnica com o Centro de Mamíferos Aquáticos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio. A iniciativa conjunta amplia o conhecimento e apóia uma gestão mais adequada da zona costeira e marinha do País.

Seguidores